quinta-feira, 11 de julho de 2024

 POETAS DE PARABÉNS

TOMÁS DE FIGUEIREDO





Sonetos da Casa Amarela

Fumar, fumar! A tanto me resumo
A fumar e a fumar o tempo arrasto.
Que longe o mundo está, o mundo vasto!
Fumar, fumar! O meu bordão é fumo.

Ir para o Norte ou Sul? Perdi o rumo.
De tanto já sofrer me sinto gasto.
Dum fogo inapagável sou o pasto,
Sem que me mate, nele me consumo.

A tudo quanto sou eu digo adeus.
Adeus à Fé, à Esperança! Ao próprio Deus?
Se houvesse um Deus consentiria nisto?!

Ou será que o seu querer impenetrado,
para cumprir-se o nunca revelado,
me entregou maior cruz do que a de Cristo?

 

Tomáz de Figueiredo







        Tomás Xavier de Azevedo Cardoso de Figueiredo é o nome completo de um escritor 
  português nascido em Braga,  em 6 de julho de 1902 e falecido em Lisboa,  em 29 de abril     de 1970.
        Exímio cultor da Língua Portuguesa trabalhou-a com maestria de forma multifacetada no domínio da prosa e da poesia.
        Formou-se em Direito na Universidade de Lisboa, mas a sua verdadeira vocação foi sempre a escrita.
        O valor literário da sua obra foi largamente reconhecido pela atribuição de diversos prémios.

quinta-feira, 4 de julho de 2024

 PRÉMIO CAMÕES 2024

Adélia Prado




Casamento

Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como “este foi difícil”
“prateou no ar dando rabanadas”
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.

Adélia Prado





        Com esta publicação presta-se homenagem a Adélia Prado, considerada a maior poetisa 
viva do Brasil.
        Adélia Prado foi distinguida, em 26 de junho do corrente ano, com a atribuição do Prémio Camões. Instituído em 1989 por Portugal e Brasil, este é o maior galardão de língua portuguesa 
atribuído a um autor lusófono.
        A atribuição do prémio à autora justifica-se pela originalidade da sua obra, que ao longo de 
décadas se destacou na produção poética.
        Nascida em Divinóplis, Minas Gerais, é licenciada em Filosofia.