segunda-feira, 26 de julho de 2021

 POETAS DE PARABÉNS

GASTÃO DA CRUZ



Ramo

Talvez eu não consiga quanto amo
ou amei teu ser dizer, talvez
como num mar que tu não vês
o meu corpo submerso seja o ramo
final que estendo já não sei a quem

Gastão Cruz












        Gastão Cruz nasceu em Faro, em 20 de julho de 1941.
        É poeta e escritor, crítico literário, encenador e tradutor.
        Nos anos 60, colaborou nas revistas O tempo e o Modo, Seara Nova e 
Os Cadernos do Meio-Dia.
        Criou o Grupo de Teatro Hoje e fez a tradução de peças de grandes clássicos.
        A sua atividade como poeta valeu-lhe a atribuição de vários prémios, entre os quais
o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores.

segunda-feira, 19 de julho de 2021

 POEMAS POR TEMAS


                                                                                  
                                                                              

 Tema: Solidão


SOLIDÃO

Desesperança das desesperanças...
Última e triste luz de uma alma em treva...
— A vida é um sonho vão que a vida leva
Cheio de dores tristemente mansas.

— É mais belo o fulgor do céu que neva
Que os esplendores fortes das bonanças
Mais humano é o desejo que nos ceva
Que as gargalhadas claras das crianças.

Eu sigo o meu caminho incompreendido
Sem crença e sem amor, como um perdido
Na certeza cruel que nada importa.

Às vezes vem cantando um passarinho
Mas passa. E eu vou seguindo o meu caminho
Na tristeza sem fim de uma alma morta.

Vinicius de Moraes







        Vinicius de Moraes é o nome de um poeta brasileiro nascido no
Rio de Janeiro em 19 de outubro de 1913 e falecido na mesma
cidade, em 9 de julho de 1980.
        Foi também jornalista, diplomata, dramaturgo, cantor e compositor.
        É detentor de uma larga obra, tendo obtido grande notoriedade em
todas as áreas a que se dedicou.

segunda-feira, 12 de julho de 2021

 POESIA PALACIANA




 Meu amor, tanto vos quero

 Meu amor, tanto vos quero,
que deseja coração
mil coisas contra a razão.
Porque se não vos quisesse,
como poderia ter
desejo eu me viesse
do que nunca pode ser.
Mas com tanto desespero,
tenho em mim tanta afeição
que deseja o coração.

Aires Teles





     Aires Teles de Menezes, de seu nome completo, foi um escritor português,
que se encontra representado no Cancioneiro Geral de Garcia de Resende.
     Enquanto cortesão, serviu no espaço palatino do rei D. João II como mordo-
mo-mor da rainha D. Leonor, esposa do monarca.
     Faleceu num convento franciscano, onde se havia recolhido, no dealbar
século XVI.

sexta-feira, 2 de julho de 2021





Ninho de Melro

Num ninho bem preparado,
Melro de negra plumagem,
Bem sedosa e luzidia,
Em um ramo bifurcado
Enfrenta entre a folhagem
O mau tempo e a ardentia,
No cenário do valado.

Seu ninho é construção
De paus secos e gravetos,
Abrigo da criação
Dos seus filhotes diletos.

Na perfeição dos urdumes,
Aconchegados no ninho
De olhos cerrados, implumes,
Dos pais recebem carinho.

No bico levam biscato,
Que lhes serve de alimento,
Resultando desse ato
O seu alento e sustento.

Mas só vão comer sozinhos
E aprender a voar,
Depois que deixam os ninhos
Com os pais a ajudar.

Sendo os melrinhos criados,
É a vida a voar,
Que vemos sobre os silvados,
Ouvimos o seu cantar,
Num concerto musical
Sobre campinas e prados,
Como não há outro igual.

               Juvenal Nunes




quinta-feira, 1 de julho de 2021

 HOMENAGEM A MACHADO DE ASSIS

DESAFIO LITERÁRIO

UM SONETO PARA MACHADO DE ASSIS





     Terminou o prazo para a participação no desafio literário Um Soneto para Machado de Assis.
     Tal como Bentinho se sentiu malogrado por não ter conseguido escrever um soneto
para a sua amada, também eu me senti tomado por igual sentimento, face ao reduzido
número de participantes.
     Houve inúmeras manifestações de apoio à iniciativa, mas que não se traduziram, na prática,
no envio dos sonetos solicitados. O reduzido número de participantes tornou inviável a votação
prevista, para o escalonamento de um pódio.
     Assim sendo, endereço os meus parabéns ao Santos Oliveira e ao Manuel Bragança dos Santos
por terem encarado e respondido ao desafio, duma forma que o valorizou.
     Deixo-lhes um testemunho de participação, caso o pretendam usar no vosso blog.
     Muito obrigado a todos.

                                                                                                         Juvenal Nunes



segunda-feira, 21 de junho de 2021

 HOMENAGEM A MACHADO DE ASSIS

DESAFIO LITERÁRIO

UM SONETO PARA MACHADO DE ASSIS





Destino

Oh! Flor do Céu! Oh! Flor cândida e pura!
A pespontar no mais vasto jardim,
A tua ausência é a noite escura,
Que me enleia num tormento sem fim.

Minha alma ardente sempre te procura
Guiada  pelo aroma de jasmim,
Cujo hausto se eleva com doçura
E do teu céu me faz seu querubim.

Fico vogando nesse espaço etéreo,
Sem sentir em teu corpo aquele abraço,
De que fica apenas leve poalha.

Reverto desse virtual sidéreo
À realidade de cada passo... 
Ganha-se a vida, perde-se a batalha!

Juvenal Nunes






     Caso fosse vivo, Machado de Assis completaria, hoje, mais um aniversário de nascimento.


quinta-feira, 10 de junho de 2021

                   DIA DE PORTUGAL, DE CAMÕES E DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS                                                                                                                                                         





Dia de Portugal

É no dia 10 de junho
O dia de Portugal,
Sendo desse testemunho
Feriado nacional.

Celebramos a Camões:
Foi cortesão e guerreiro,
Entre outras recordações
É das letras o primeiro.

Correndo riscos mil vezes,
Ao longo doutras idades,
Criaram os portugueses,
No mundo, comunidades.

Dentre «as brumas da memória»,
Neste dia, uma nação,
De passado com história
Cerra laços de união.

        Juvenal Nunes