quinta-feira, 19 de janeiro de 2023

 POEMAS POR TEMAS

AMOR




Tema: Amor

Estrela da Tarde

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca tardando-lhe o beijo morria.
Quando à boca da noite surgiste na tarde qual rosa tardia
Quando nós nos olhámos, tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos, unidos, ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia.

Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça
E o meu corpo te guarde.
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria
Ou se és a tristeza.
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza!

Foi a noite mais bela de todas as noites que me adormeceram
Dos nocturnos silêncios que à noite de aromas e beijos se encheram
Foi a noite em que os nossos dois corpos cansados não adormeceram
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram.
Foram noites e noites que numa só noite nos aconteceram
Era o dia da noite de todas as noites que nos precederam
Era a noite mais clara daqueles que à noite se deram
E entre os braços da noite, de tanto se amarem, vivendo morreram.

Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça
E o meu corpo te guarde.
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria
Ou se és a tristeza.
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza!

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso se é pranto
É por ti que adormeço e acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto
Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto!

José Carlos Ary dos Santos







        José Carlos Ary dos Santos, de seu nome completo, nasceu em Lisboa em 7 de dezembro 
de 1936, tendo falecido na mesma cidade, em 18 de janeiro de 1984.
        Consagrou-se como declamador e, nas letras portuguesas, como poeta.
        Como letrista de canções colaborou com grandes cantores portugueses, com especial realce 
para Fernando Tordo.
        Foi nessa qualidade que venceu 4 festivais da canção portuguesa, que apuraram Portugal 
para o Festival da Eurovisão.

48 comentários :

  1. José Carlos Ary dos Santos, um poeta que muito gosto de ler.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela visita e comentário de positiva apreciação.
      Saudações poéticas.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  2. O Ary era genial.
    De excessos mas absolutamente genial.
    Abraço, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em absoluto com o seu comentário.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  3. Estupendo juego de metáforas entre lo humano y lo natural, bellísimo.
    Gracias por mostrarnos tanta poesía.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Correto comentário que evidencia a qualidade do autor.
      Tudo de bom.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  4. Versi molto belli, apprezzati. buon fine settimana, silvia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Silvia, pela presença e comentário de apreciação.
      Bom fim de semana.
      Abraço amigo.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  5. Agradeço a simpatia da sua presença e o comentário de apreço.
    Abraço de amizade.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
  6. Podríamos decir un Cohen de la poesía Lusitana: verso y canto. Un abrazo. Carlos

    ResponderEliminar
  7. Talvez o poema mais belo de Ary dos Santos. Que tão bem interpretado foi por Carlos do Carmo no festival da canção.
    Poema lindíssimo!
    Excelente partilha, amigo Juvenal.
    Votos de um excelente fim de semana.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Óptimo declamador que tive o prazer de ver e ouvir a declamar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem todos os bons declamadores são bons poetas mas Ary dos Santos é um dois em um.
      Continuação de bom fim de semana.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  9. Um excelente momento com Ary dos Santos.
    Homenagear os nossos poetas, é lê-los e divulgá-los.
    Um kandando, bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com a sua observação e assim vamos cumprindo um dos nossos objetivos.
      Continuação de bom fim de semana.
      Abraço amigo.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  10. Respostas
    1. Obrigado pelo apoio e apreço.
      Seja sempre bem vinda.
      Abraço cordial.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  11. Ary dos Santos foi um bom exemplo de declamação de Poemas. Tinha expressão e dava-lhes vida.
    Grato pela partilha.

    Abraço
    SOL da Esteva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era um grande declamador mas foi, acima de tudo, um poeta.
      Continuação de bom fim de semana.
      Abraço poético.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  12. É um dos mais belos poemas portugueses que fez bem lembrar...

    Venho despedir-me. Não tenho feitio para visitar quem não me visita...
    Eu publico alternadamente nos meus dois blogues principais, mas nem
    é um assíduo frequentador do Refúgio dos Poetas, onde apresento só
    peças da minha autoria...
    Eu não deixo um comentário sem a delicadeza de uma retribuição, não
    admito quem se possa julgar superior...
    Continuação de bom fim de semana.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não compreendo o seu comentário, mas nada posso fazer que altere a sua posição.
      Continuação de bom fim de semana.
      Saudações cordiais.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  13. O mundo precisa de amor assim :)

    Beijinho e bom fim de semana | docejoornadablog.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O amor é um sentimento que une e congrega. Concordo com a sua observação.
      Continuação de bom fim de semana.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  14. Ary dos Santos excede-se a si próprio nesta "Estrela da Tarde".
    Mas também que dizer de outros poemas da sua autoria que não
    nos saem da cabeça e cantarolamos como se fizessem parte de
    nós? Tudo muito bom, tudo excelente, tudo o que este grande
    poeta escreveu!
    E encontrar aqui a "Estrela da Tarde, caro Juvenal, leva-me a
    agradecer-lhe a divulgação que faz deste e de outros poetas
    da Literatura Portuguesa.
    Grata. Bom domingo.
    Abraço
    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço a sua visita e o assertivo comentário, bem como o apoio e o apreço demonstrados.
      Desejo uma ótima semana.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  15. Bellísimas metáforas. Me ha encantado. Un placer leerte.
    👏🏼👏🏼👏🏼

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, de facto, um poema muito rico, que dá gosto ler.
      Seja sempre bem vinda.
      Abraço amigo.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  16. José Carlos Ary dos Santos , é um dos meus preferidos , dos poetas portugueses , e esse poema publicado aqui, é grandioso em sensibilidade. Gostei muito.
    Um abraço fraterno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico satisfeito com a sua visita e com o elogioso comentário.
      Continuação de boa semana.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  17. Olá, amigo Juvenal,
    Passando por aqui, relendo esta excelente postagem de homenagem a Ary dos Santos, que muito gostei, e desejar uma excelente semana!
    Abraço amigo

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre um gosto recebê-lo.
      Continuação de boa semana.
      Abraço amigo.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  18. Bom dia Juvenal,
    Um dos poemas mais belos em Língua Portuguesa.
    Gostei de relê-lo aqui no seu Blogue.
    Beijinhos e boa semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O poema tem uma grande força e é, simultaneamente, uma pérola de sensibilidade.
      Agradeço o seu interesse e apoio.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  19. A genialidade do poeta Ary dos Santos neste maravilhoso poema. Ninguém fez mais poemas assim para serem cantados.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sobre ser um poeta de excelência a sua virtude permitiu-lhe, também, ser um letrista de qualidade.
      Continuação de boa semana com muita saúde.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  20. boa tarde Juvenal
    escolheu para esta postagem um grande Poeta que fez vários poemas que sempre ficaram na memória.
    é um Poeta que admiro e de que gosto muito de toda a obra dele, pelo menos a que tenho lido.
    Desejo uma semana abençoada com saúde e harmonia.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O seu comentário evidencia, claramente, o valor e a qualidade de Ary dos Santos, o que concordo.
      Seja sempre bem vinda.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  21. Caro Juvenal
    Lá no "Xaile de Seda" há um convite de participação
    em "A Quinzena do Amor", que edito todos os anos.
    Aguardo a sua participação.
    Abraço
    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço o convite e vou procurar corresponder.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
    2. Acedendo ao honroso convite por si formulado para participar em "A Quinzena do Amor" enviei ontem, dia 1 de fevereiro, para os comentários, conforme indicação fornecida, o texto "Desfiar Ilusões.".
      Abraço amigo, Olinda.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  22. Zé Carlos Ary dos Santos,
    Grande vate português
    Que com Vinícius, talvez,
    Com Amália e outros tantos
    Compuseram, por encantos,
    Um fado e Amália, um dia,
    Em Portugal, numa orgia
    Só de bebidas e, assim,
    Creio que Amália, por fim,
    Falou que não o cantaria.

    Juvenal, lembro de um disco vinil gravado ou fita K7 que ouvi e nela um relado de alguém que diz ser tarde
    e ele sobe as escadas em bicos de pés e encontra em reunião, Vinícius de Moraes, José Carlos Ary dos Santos, Amália Rodrigues, em festa. Eles declamavam poesias e cantavam varias melodias. Ocasião em que compuseram um fado, mas que Amália nunca o gravou. Estou certo? Eram contemporâneos, creio que em 1960, aproximadamente, ou cinquenta e tantos, Abraço fraterno e parabéns pela postagem. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabemos, de facto, que Ary dos Santos era dado a excessos e consumia, diariamente, grandes quantidades de gim o que lhe valeu ter morrido com uma cirrose. Foi também um grande declamador e o seu legado, como letrista, inclui mais de 600 canções. Amália e Ary dos Santos foram contemporâneos e eram amigos.
      Agradeço o seu interesse, apoio e apreço.
      Abraço fraterno, amigo Laerte.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  23. Meu caro Juvenalamigo
    Boa ideia esta de publicar o Ary, um homem dos mil instrumentos, como ele próprio se definia. Conheci-o bastante bem e sei do drama existencial que vivia e que deixava transparecer de momentos para logo se recompor e soltar um gargalhada um tanto histérica própria da sua condição.
    Maas, atenção, não nos podemos esquecer de que era um repentista. Do nada, aparentemente, saía um poema. E que poema! Não se gabava das vitórias nos Festivais; costumava dizer: “olha lá, menino, para o ano há outro…”
    Também tinha uma teoria que dizia que não havia poemas para canções nem cantores para as cantigas; havia sim um casamento perfeito entre o autor e o intérprete e só assim o poema dava um boa canção.
    Enfim, há tanta coisa para contar (e cantar) sobre José Carlos Ary dos Santos. Mas fica para outra altura. Para já fico a ouvir esta canção que tiveste a gentileza de nos recordar. Obrigado.
    Abração
    Henrique

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Henrique, pela sua visita e considerações adicionais sobre o poeta.
      A dimensão do seu talento está provada na sua obra e nas caraterísticas que refere sobre ele.
      Seja sempre bem vindo.
      Abraço amigo.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  24. Zé Carlos Ary dos Santos
    De Vinicius foi amigo
    E de Amália se consigo
    Lembrar de tantos encantos
    Quando se encontraram em cantos
    De pédios de Portugal
    Que "Zé Carlo" em recital
    Vinícius contou num disco
    Vinílico, em tempos priscos
    De sessenta e tal.

    Lembro que ouvi um disco de Vinícius que entre músicas, declamações e histórias ele descreve encontro em Portugal com Amália, José Carlos Ary dos Santos e outros que não recordo. Compuseram até um fado para Amáliam Rodrigues. Todos velhos boêmios. Bela homenagem. Parabéns. Grato pela demonstração de afeto ao meu humilde espaço literário. Abraço fraterno. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O génio lírico de Ary dos Santos e a voz divinal de Amália congregaram-se para grandes sucessos mundiais.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar
  25. Me han encantado tus letras. Recibe mi saludo desde Argentina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico grato com a sua presença e o positivo comentário.
      Abraço de amizade.
      Juvenal Nunes

      Eliminar